ROSA DO DESERTO

Thumb ROSA DO DESERTO

ROSA DO DESERTO

ROSA DO DESERTO

Rosa do deserto, também conhecida como flor do deserto, é uma planta originária do Sul da África e da Península Arábica. O seu nome científico é Adenium obesum e faz parte da família Apocynaceae e necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então deve-se adotar o método de mudas. Se adapta facilmente ao clima seco e quente e consegue viver em lugares ensolarados. Também encontrada na Tailândia, desertos e na África .

Regas : ao contrário do que se pensa, as Rosas do Deserto (Adenium) toleram bem a água. O que elas não toleram é a terra encharcada. Por essa razão, é altamente recomendado que os cultivadores de Adenium cultivem a mesma em terra com alto nível de drenagem.

Esta plantas podem alcançar os 4 metros de altura e um metro e meio de largura. Apresentam flores deslumbrantes e como são plantas habituadas ao clima do deserto, também se adaptam e se desenvolvem bem em países tropicais.

Apresenta uma forma pouco usual, com um caule muito desenvolvido na base, porque para subsistir no deserto, tem que suportar fortes ventos e acumular água. As suas flores possuem cores muito variadas, podendo ter tonalidades do branco ao cor de vinho escuro e também lilás e vermelho. Quanto à polinização, estas plantas requerem polinização manual, ou então é possível adquirir mudas. Podem ser cultivadas nos países com um inverno mais rigoroso, mas têm que ser cultivadas em estufas, visto que as rosas do deserto morrem se estiverem em temperaturas inferiores a 14 Cº.

A rosa do deserto possui amantes e colecionadores espalhados por todo o mundo. Tendo em conta que é uma planta que possibilita a enxertia, é possível conseguir diferentes modelagens, com flores de variedades diferentes na mesma planta. Isto significa que cada planta pode ser personalizada ao gosto do seu dono. Por este motivo, estas plantas são muito apreciadas e muitas atingem preços altíssimos no mercado mundial, sendo neste aspeto parecida com o bonsai.

A Lenda da Rosa do Deserto

Há uma lenda que conta que a rosa mais bela, e com o aroma mais hipnotizante do mundo encontra-se no deserto. Essa rosa estaria lá sendo um sinal que Deus da para todos aqueles que estão perdidos no deserto, andando noites, exaustos com fome e sede; um sinal de que por mais árdua seja a caminhada, você sempre ira encontrar forças nos belos momentos que existe em seu caminho.

Essa lenda origina outra lenda, que explica um dogma que permanece até hoje, e que espero que fique encravado na humanidade ‘’até o fim raiar“ . Esse dogma que falo, é um clichê do amor, ou melhor, é o clichê do amor, ou seja, obviamente estou falando da rosa como símbolo da paixão entre duas pessoas.

A lenda em questão começa da seguinte forma..

Certa vez um cheique árabe rico, um dos maiores e mais importantes de todo oriente, casou-se com 12 mulheres. Essas mulheres eram as mais lindas de sua terra, todas casaram com ele com a promessa que ele amaria todas com a mesma dedicação e atenção que elas mereciam.

Todo dia 15 de cada mês o cheique presenteava suas esposas com um banho de ouro, correntes, pulseiras, anéis, tudo que o dinheiro poderia comprar do bom e do melhor. Mesmo assim, suas mulheres desconfiavam que ele não amasse na verdade nenhuma delas, mas mesmo assim elas continuavam com ele, pois ele dava a elas o padrão de vida que elas achavam que mereciam.

Mas como um temporal de areia no deserto, a vida do cheique mudou de uma maneira arrasadora. O cheique de 12 mulheres, rico e com um poder sobre todo oriente, ficou pobre ; perdeu palácios, camelos, ouro, tudo que até então era de mais valioso para si em sua vida. A única coisa que sobrou a si foi o amor de suas 12 esposas.

Após passar um tempo sem o poder, o cheique começou a notar que o amor de suas mulheres por ele não diminuía, até que um dia ele reuniu todas e perguntou a elas porque não tinham o deixado, já que ele não mais as presenteava com ouro, e o ouro que ele tinha dado a elas até aquele momento foram retirados delas para saldar suas dividas, ai então veio o que ele menos esperava na forma de resposta, todas se levantaram e em fila, deram a ele um beijo em seu rosto como forma de respeito e de amor a ele.

Com os beijos, veio também a sabedoria, e sobriedade para notar que todo ouro que ele dava para elas de nada valia, que o que valia para elas era o seu amor.

Na manha seguinte ele saiu rumo ao deserto, sozinho, sem água ou comida, deixando todas as esposas aflitas. Passou noites e dias e ele não retornava a sua humilde casa, até que no dia 15 ele retornou.

Ao entrar na sala, viu todas as suas esposas chorando, e pedindo a Alá que o trouxesse de volta. Quando elas o avistaram na entrada da sala, viram que ele trazia consigo uma rosa, uma rosa belíssima com um aroma que nunca sentiram na vida, a Rosa do Deserto. Ele falou que passou noites e dias no deserto, para trazer a elas, o presente que nenhum dinheiro podia compra, disse que a rosa representava o amor dele por elas. Começou então a retirar uma pétala de cada vez e a entregar uma para cada esposa, no fim ele ficou com o caule da rosa na mão e disse que nunca daria a elas os espinhos que ele teve que enfrentar para dar a elas e rosa mais linda que já existiu.

A partir daí a rosa passou a ser o símbolo do amor mais puro do mundo e começou a existir outra lenda do deserto, a lenda do amor.

Diego Paz

Envie seu comentário:

Você também pode gostar: